Share Button

Um Jovem no Egito

José teve uma infância complicada. Sua mãe morreu quando ele era pequeno, e seu pai teve muita dificuldade em viver com esta perda. Os meio-irmãos de José o maltratavam e o pai aumentou a tensão entre eles por mostrar uma forte preferência por José.

Aos 17 anos de idade, este jovem foi vendido por seus irmãos e se tornou escravo no Egito. Os irmãos convenceram seu pai que José estivesse morto. De fato, ele estava em outro país, rejeitado e esquecido pela família.

Era comum, na época em que José vivia, pensar que “os deuses” exercessem poder limitado e local. Até muito tempo depois de José, os gregos e romanos criaram sistemas mitológicos nos quais os diversos “deuses” tiveram poderes limitados sobre determinados aspectos do universo. Diante desses fatos, a fé de José se torna ainda mais impressionante. Longe da terra prometida aos descendentes de seu bisavô, no meio de um povo com seus próprios “deuses” e costumes religiosos, José não vacilou na sua confiança no único verdadeiro Deus.

Como escravo, José se mostrou íntegro e foi rapidamente promovido à posição de administrador geral dos negócios de Potifar. A mulher de Potifar viu este jovem atraente trabalhando dia após dia, e tentou seduzi-lo. José resistia aos avanços da mulher, explicando-lhe seus motivos: “Tem-me por mordomo o meu senhor e não sabe do que há em casa, pois tudo o que tem me passou ele às minhas mãos. Ele não é maior do que eu nesta casa e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porque és sua mulher; como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?” (Gênesis 39:8-9). Esta postura de José oferece um exemplo importante em vários sentidos:

(1) José acreditou na soberania universal do único Deus. Se ele cedesse à tentação, mesmo longe da terra dos descendentes de Abraão, pecaria contra Deus!

(2) José acreditou num padrão absoluto e universal de moralidade. Adultério é adultério em qualquer lugar.

(3) José não tentou justificar um pecado escondido. Qual dano poderia resultar de um pecado escondido cometido por um jovem longe de casa? Se José cogitou alguma desculpa deste tipo, teve o caráter de descartar tais noções e manter a sua integridade.

(4) José respeitou o casamento como um pacto inviolável. Ele não tratou o casamento de Potifar como algum arranjo insignificante entre pessoas que não conheciam o Senhor. O casamento nunca foi subordinado por Deus a alguma instituição religiosa, pois foi dado aos seres humanos pelo Criador, e deve ser respeitado por todos. Mesmo um casamento entre dois pagãos é um casamento digno de respeito.

(5) Quando a tentadora não desistiu, José fugiu. Literalmente fugiu! Manter-se puro diante de Deus foi mais importante do que o emprego, a liberdade ou a própria vida.

José passou anos na prisão por um crime que não cometeu, mas devido à sua fé, esse homem foi abençoado e usado por Deus para salvar a nação israelita. Vale a pena ser fiel!

– por Dennis Allan

Leia mais sobre este assunto:
Lições de José na casa de Potifar

Jovens Sábios
Agora, Eu Estou no Volante 
Desafios da juventude: A influência dos amigos


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA