Share Button

Salmo 2: Tu És Meu Filho

Mil anos antes do ministério de Jesus, Davi profetizou sobre sua exaltação como soberano rei. Embora publicado sem identificar o autor ou ocasião, o segundo Salmo é um dos mais importantes hinos nesse livro. O apóstolo Pedro acrescenta informações não contidas no Salmo quando atribui sua mensagem ao rei Davi e identifica Jesus como o objeto da profecia (Atos 4:25-28). Esse Salmo profético previu o conflito entre Jesus Cristo e seus inimigos, e anunciou de antemão o resultado glorioso.

O Salmo se divide em quatro partes principais: (1) A rebeldia dos homens (versos 1-3); (2) A reação do Pai (versos 4-6); (3) A resposta do Filho (versos 7-9); (4) O apelo aos homens (versos 10-12).

A rebeldia dos homens apresenta-se na forma das suas tentativas arrogantes de se livrarem do domínio divino: “Por que se enfurecem os gentios e os povos imaginam coisas vãs? Os reis da terra se levantam, e os príncipes conspiram contra o SENHOR e contra o seu Ungido, dizendo: Rompamos os seus laços e sacudamos de nós as suas algemas” (versos 1-3). Cada expressão nesses versos usa o paralelismo para enfatizar o ponto: gentios e povos, reis e príncipes, o Senhor e seu Ungido, laços e algemas. O conflito é descrito em termos de homens se achando poderosos para se levantarem contra Deus. Consideram as limitações impostas por sua palavra algemas e laços. Esses homens arrogantes se acham capazes de se livrar de Deus, negando a autoridade divina. 

O Pai reage com risadas! Pior do que algumas formigas tentando derrubar um elefante, os homens se levantam contra o onipotente Criador! E a reação dele? “Ri-se aquele que habita nos céus; o Senhor zomba deles. Na sua ira, a seu tempo, lhes há de falar e no seu furor os confundirá. Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião” (versos 4-6). Esses versos frisam a loucura de se opor ao Altíssimo. A força do homem não apresenta nenhuma ameaça para Deus. Ele ri e zomba dos homens arrogantes e mortais que se exaltam diante do Eterno. Além disso, ele age contra as insolentes criaturas e traz o seu juízo. Normalmente pensamos na vinda do Messias ou Cristo (palavras que significam Ungido) nos termos positivos da chegada do Salvador para estender a misericórdia. A promessa da sua vinda feita no verso 6 e explicada nos versículos seguintes focaliza sua posição como Senhor, aquele que reina no santo monte.

A resposta do Filho demonstra sua aceitação do papel dado pelo Pai. “Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei. Pede-me, e eu te darei as nações por herança e as extremidades da terra por tua possessão. Com vara de ferro as regerás e as despedaçarás como um vaso de oleiro” (versos 7 e 9). Esse decreto divino é citado algumas vezes no Novo Testamento, sempre referente à exaltação de Jesus na ressurreição (Atos 13:32-33; Hebreus 1:3-5; 5:5). Esses trechos mostram que Jesus foi gerado no sentido de ser coroado pelo Pai. Ele recebeu a autoridade para governar sobre todos (Mateus 28:18; Colossenses 1:13; Apocalipse 1:5).

O Salmo encerra com um apelo para os homens, começando com os que exercem poder sobre outros: “Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos advertir, juízes da terra. Servi ao SENHOR com temor e alegrai-vos nele com tremor. Beijai o Filho para que se não irrite, e não pereçais no caminho; porque dentro em pouco se lhe inflamará a ira. Bem-aventurados todos os que nele se refugiam” (versos 10-12). Quando o homem se depara com a grandeza de Deus, a única resposta sensata é a humilde submissão. A loucura de se exaltar contra o Senhor, como fizeram os reis e príncipes citados no início desse hino, se torna evidente quando consideramos os destinos desses dois caminhos diferentes. Os rebeldes buscam a liberdade para satisfazer sua própria vontade, mas nisso se perdem e sofrem a ira do Senhor. Aqueles que temem e tremem descobrem a alegria e a proteção que somente o Soberano Deus pode oferecer.

É importante entender o papel de Jesus Cristo como Salvador, mas também precisamos apreciar sua posição como Rei com autoridade total sobre todos.

-por Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2016 Karl Hennecke, USA