Share Button

Salmo 143: Não Entres em Juízo com o Teu Servo

Diante do Senhor, qual homem pode ficar em pé, confiante da sua própria justiça? O ensinamento bíblico deixa claro que somente o arrogante tolo faria isso, pois todos os homens humildes e sensatos reconhecem suas próprias falhas (Romanos 3:10,23; Salmo 53:3). Davi não era orgulhoso nem insensato, mas ele ainda tinha confiança da sua comunhão com Deus. O Salmo 143 apresenta, de maneira equilibrada, os temas da graça e da justiça do Senhor.

“Atende, SENHOR, a minha oração, dá ouvidos às minhas súplicas. Responde-me, segundo a tua fidelidade, segundo a tua justiça. Não entres em juízo com o teu servo, porque à tua vista não há justo nenhum vivente” (versos 1 e 2). Em um sentido, Davi queria ser ouvido, mas não visto! Ele buscava o socorro divino diante das perseguições que o afligiam e desejava que Deus ouvisse as suas petições. Mas Davi sabia que, se Deus olhasse bem para a vida dele, encontraria falhas. Se Deus entrasse em juízo e Davi tivesse de se justificar por mérito, sua causa seria perdida.

“Pois o inimigo me tem perseguido a alma; tem arrojado por terra a minha vida; tem-me feito habitar na escuridão, como aqueles que morreram há muito. Por isso, dentro de mim esmorece o meu espírito, e o coração se vê turbado” (versos 3 e 4). Como vários dos Salmos de Davi, este se situa no contexto de perseguição. Ele não achou forças em si mesmo para aguentar a pressão, e assim buscou o socorro divino. Há situações na vida nas quais só Deus é capaz de consolar e oferecer refúgio.

“Lembro-me dos dias de outrora, penso em todos os teus feitos e considero nas obras das tuas mãos. A ti levanto as mãos; a minha alma anseia por ti, como terra sedenta” (versos 5 e 6). Esses versos apresentam um contraste importante com o verso 2. Quando o homem examina as obras de Deus, ele fica admirado e procura se aproximar do seu Criador (versos 5-6; Salmo 145:3). Mas quando Deus examina bem as obras dos homens, ele vê as suas impurezas e se afasta das suas criaturas (verso 2).

“Dá-te pressa, SENHOR, em responder-me; o espírito me desfalece; não me escondas a tua face, para que eu não me torne como os que baixam à cova” (verso 7). Davi expressa a urgência do seu pedido. Ele reconhece a fragilidade da vida diante do perigo iminente, e pede para Deus responder. É o mesmo tom que encontramos em Salmo 141:1.

“Faze-me ouvir, pela manhã, da tua graça, pois em ti confio; mostra-me o caminho por onde devo andar, porque a ti elevo a minha alma. Livra-me, SENHOR, dos meus inimigos; pois em ti é que me refugio. Ensina-me a fazer a tua vontade, pois tu és o meu Deus; guie-me o teu bom Espírito por terreno plano. Vivifica-me, SENHOR, por amor do teu nome; por amor da tua justiça, tira da tribulação a minha alma” (versos 8 a 11). Davi entendeu que a salvação vem exclusivamente de Deus pela graça divina. A resposta ao seu apelo não viria pelo merecimento de Davi, e sim pelo caráter de Deus: “por amor do teu nome; por amor da tua justiça”. Várias grandes orações na Bíblia se baseiam nas qualidades de Deus, e não nas dos homens (Êxodo 32:11-14; Daniel 9:4-19). Daniel, quase 500 anos depois de Davi, mostrou esse mesmo entendimento quando orou: “...porque não lançamos as nossas súplicas perante a tua face fiados em nossas justiças, mas em tuas muitas misericórdias” (Daniel 9:18). Se Davi fizesse suas petições na base da sua própria justiça, não teria esperança de ser ouvido.

Qual, então, seria a diferença entre Davi e seus inimigos? Se todos os homens são pecadores, por que Deus julgaria a favor de Davi e contra seus perseguidores? Esses mesmos versos esclarecem o ponto. Apesar da sua inabilidade de fazer alguma obra de mérito para satisfazer o justo Deus, Davi entendeu a necessidade de buscar conhecimento e de viver conforme a vontade do Senhor. Ele pediu para Deus ensiná-lo para que ele pudesse andar no caminho definido pelo Senhor. A diferença entre Davi e seus inimigos está na reação de cada um ao Senhor. Davi procurou andar conforme a vontade do Senhor enquanto seus adversários se rebelaram contra seu Criador. Essa distinção é a base do último pedido nessa oração de Davi: “E, por tua misericórdia, dá cabo dos meus inimigos e destrói todos os que me atribulam a alma, pois eu sou teu servo” (verso 12).

Nenhum de nós merece o favor de Deus, mas se não buscarmos andar conforme a vontade do Senhor, não teremos fundamento para fazer súplicas a ele!

- por Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2017 Karl Hennecke, USA