Share Button

Salmo 55: Confunde os seus Conselhos

Davi estava acostumado a enfrentar adversários e não ficava abalado quando precisava entrar no campo de batalha contra os inimigos de Israel. Quando, porém, seus próprios amigos se viraram contra ele, Davi se sentiu decepcionado e traído. Apelou ao Senhor, pedindo que ele agisse para livrá-lo das armadilhas dos traidores. O Salmo composto nessa circunstância foi encaminhado ao responsável pelos louvores em Israel, permanecendo para a instrução das gerações que viriam depois. Até o próprio cabeçalho desse hino indica seu propósito didático. Então, vamos aprender lições importantes da leitura do Salmo 55.

Embora Davi não tenha identificado a situação específica que o motivou a escrever esse Salmo, alguns aspectos se ajustam bem ao período de conflito com seu filho Absalão. Ele fala de violência, contenda opressão e engano, de traição por um amigo íntimo que era seu igual, e da maneira branda do inimigo falar ao enganar as pessoas.

Os primeiros versos do Salmo contêm o apelo de Davi por livramento da maldade do seu inimigo (versos 1 a 8). Ele fala do seu sofrimento emocional, da dificuldade de dormir e da vontade de fugir para algum lugar deserto e seguro. Muitas vezes, a angústia emocional é pior do que o sofrimento físico de uma ameaça ou conflito. Deus poupou a vida de Davi em vários momentos, mas deixou seu servo passar por angústias e aprender a confiar no Senhor nos tempos difíceis.

Davi logo tornou sua atenção para os malfeitores, pedindo a justiça de Deus contra esses inimigos (verso 9 a 15). Ele pede para Deus frustrar os planos deles, porque incitavam violência, contendas, perversidade e engano na cidade. Da perspectiva desse rei-pastor em Israel, qualquer maldade que prejudicasse a população seria especialmente revoltante. Essa qualidade de Davi o distinguiu do seu predecessor, Saul, um rei que visava seus próprios interesses e não os planos de Deus nem o bem-estar do povo que ele governava. Davi se mostrou capaz de aguentar muita dor na própria vida, mas sofria muito quando o rebanho de Israel passava por tribulações. Ele prefigurou o seu descendente, o Supremo Pastor e Salvador, Jesus Cristo, que negou seus próprios interesses e se sacrificou para o benefício das suas ovelhas.

Davi ficou especialmente angustiado diante da oposição porque seu inimigo era, nas palavras dele, “homem meu igual, meu companheiro e meu íntimo amigo” (verso 13). Esse comentário reforça a contextualização desse Salmo no período de tentativa de golpe de Absalão. Tanto o próprio filho como vários dos amigos de Davi viraram contra o rei, deixando-o profundamente decepcionado. Ele lembrou do relacionamento que tinham: “Juntos andávamos, juntos nos entretínhamos e íamos com a multidão à Casa de Deus” (verso 14).

Davi confiou na salvação divina (versos 16 a 21). Ele continuaria suas súplicas constantes, sabendo que Deus ouviria suas queixas. Mesmo sabendo que os inimigos eram muitos, Davi confiava no poder superior de Deus para lhe dar o livramento. O eterno Deus traria justiça contra os homens que violaram a aliança de paz e usaram palavras suaves para enganar suas vítimas: “A sua boca era mais macia que a manteiga, porém no coração havia guerra; as suas palavras eram mais brandas que o azeite; contudo, eram espadas desembainhadas” (verso 21). 3.000 anos depois de Davi compor esse hino, ainda enfrentamos o mesmo perigo. Paulo avisou os cristãos sobre o perigo de pessoas que “... provocam divisões e escândalos, em desacordo com a doutrina que aprendestes” dizendo que operam por meio de “suaves palavras e lisonjas” para enganar “o coração dos incautos” (Romanos 16:17-18). Eloquência e simpatia não são provas da honestidade ou confiabilidade de ninguém. Precisamos examinar as palavras para discernir entre ovelhas inocentes e lobos vorazes.

Davi encerra o Salmo com uma conclusão geral para o benefício dos leitores e adoradores que cantariam esse hino. O princípio enunciado é a mensagem da justiça e da misericórdia de Deus: “Confia os teus cuidados ao SENHOR, e ele te susterá; jamais permitirá que o justo seja abalado. Tu, porém, ó Deus, os precipitarás à cova profunda; homens sanguinários e fraudulentos não chegarão à metade dos seus dias; eu, todavia, confiarei em ti” (versos 22 e 23).

Nós, também, podemos e devemos confiar na justiça e na misericórdia do Senhor!

- por Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2017 Karl Hennecke, USA