Share Button

Salmo 50: Sacrifício de Ações de Graças

Deus precisa de alguma coisa de nós? O Criador do mundo depende dos sacrifícios e ofertas de homens para sobreviver? É claro que não! Asafe escreveu o Salmo 50 durante a vigência da lei dada por meio de Moisés no monte Sinai, um período no qual Deus exigia dos israelitas sacrifícios de animais e ofertas dos produtos dos seus campos. Mas, como Deus diz nesse hino, essas ofertas não foram para sustentar o Senhor, pois ele jamais depende dos donativos dos homens:

“Pois são meus todos os animais do bosque e as alimárias aos milhares sobre as montanhas. Conheço todas as aves dos montes, e são meus todos os animais que pululam [vivem – NAA] no campo. Se eu tivesse fome, não to diria, pois o mundo é meu e quanto nele se contém. Acaso, como eu carne de touros? Ou bebo sangue de cabritos?” (versos 10 a 13).

Mas esse Salmo não começa com esta questão. Por trás dos comentários de Deus sobre sacrifícios e ofertas há um fato importante que todos devem considerar: o Salmo 50 inicia com a descrição do Deus onipotente como juiz. Os primeiros seis versos desse hino destacam sua soberania universal, sua gloriosa santidade e sua ira no julgamento dos homens.

Que esperança o homem teria diante do poder desse Juiz? Poderia agradar a Deus por meio de sacrifícios? O conceito de oferecer sacrifícios ao Senhor foi ensinado por Deus desde o tempo da primeira família humana, pois Abel agiu por fé e foi aprovado por Deus quando fez um sacrifício agradável (Hebreus 11:4; Gênesis 4:4). No tempo dos Patriarcas e durante todo o tempo da vigência da Lei dada por meio de Moisés, Deus exigia sacrifícios e ofertas. Foi certo, até necessário, para os servos de Deus naquela época oferecerem seus animais, cereais etc.

Mas, esses sacrifícios não garantiam o favor de Deus. Se o homem é incapaz de fornecer algo que Deus precisa, como seria possível agradar ao Criador e evitar a sua ira? Duas vezes nesse Salmo, Deus fala o que ele realmente deseja receber do homem. Ele não nega a necessidade dos sacrifícios, mas deixa claro que o homem não pode se justificar por eles. De fato, o homem é incapaz de se justificar por qualquer obra de mérito. Esse Salmo ajuda a entender que a doutrina da salvação pela graça não começa com o Novo Testamento.

O que Deus quer do homem?

Aos fiéis, ao povo que guardava a aliança do Senhor, ele disse: “Oferece a Deus sacrifício de ações de graças e cumpre os teus votos para com o Altíssimo; invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás” (versos 14 e 15). Deus quer gratidão, fidelidade em nosso compromisso, dependência da sua graça e a honra que só ele merece.

E para as pessoas que vivem em rebeldia contra Deus, recusando admitir sua soberania e seu direito de estabelecer as normas para sua vida? Mesmo quando falam sobre Deus, essas pessoas recusam a disciplina, ignoram a palavra de Deus, apoiam malfeitores e pecam contra Deus com impunidade (versos 16 a 21). Da mesma forma que Deus vem em julgamento do seu povo (versos 3 a 6), ele promete julgar as pessoas rebeldes (versos 21 e 22).

Nesse contexto da condenação dos malfeitores, Deus fala pela segunda vez o que ele deseja do homem: “Considerai, pois, nisto, vós que vos esqueceis de Deus, para que não vos despedace, sem haver quem vos livre. O que me oferece sacrifício de ações de graças, esse me glorificará; e ao que prepara o seu caminho, dar-lhe-ei que veja a salvação de Deus” (versos 22 e 23).

Ninguém é capaz de fazer obras boas suficientes para merecer a vida eterna, pois todas as boas ações do homem não podem comparar com a gravidade do seu pecado contra o Senhor. A nossa única esperança se encontra na graça de um Deus que nos ama e deseja nos salvar, apesar dos crimes que cometemos contra o Senhor.

Não adianta tentar escalar a montanha para chegar ao céu. Precisamos confiar em Deus para nos salvar, e viver em fidelidade e gratidão pela graça que ele nos oferece em Jesus Cristo.

-por Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2017 Karl Hennecke, USA