Estudos Bíblicos

Lições de uma Pandemia: Prevenção

Com a pandemia do coronavírus, o ano 2020 entrou em listas que incluem datas como 1968, 1918 e 1346, anos marcados por doenças contagiosas que mataram milhões de pessoas. A história de pandemias trata do progresso da medicina em compreender como tais doenças se espalham e esforços para prevenir a infecção de grandes números de pessoas. Nesse contexto, expressões como distanciamento social e quarentena passam a fazer parte do vocabulário cotidiano. Luvas e máscaras aparecem por todo lado. Orientações sobre higiene se tornam matéria de jornais.

Nesse cenário, o primeiro pensamento da maioria das pessoas é de autoproteção. Ninguém quer ser contaminado por um vírus que ameaça a vida. Devemos ter o mesmo pensamento quando se trata de outra ameaça, ainda mais difundida e com uma taxa de mortalidade bem maior. Qual a nossa atitude sobre a ameaça do pecado?

Tiago falou do processo de contaminação: “Ninguém, ao ser tentado, diga: ‘Sou tentado por Deus.’ Porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo não tenta ninguém. Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte” (Tiago 1:13-15).

As autoridades que rastreiam os efeitos de um vírus falam sobre os novos casos, o número de mortes e a taxa de mortalidade. O pecado já se espalhou na população (1 João 5:19). Todas as pessoas capazes de tomar suas próprias decisões já optaram por condutas egoístas e pecaminosas: “pois todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3:23). A consequência é gravíssima: “Porque o salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23).

Confrontados com essa ameaça letal, devemos redobrar os esforços de prevenção. Um aspecto importante da prevenção é evitar os locais onde se encontra maior incidência de infecção, como diz o salmista: “Bem-aventurado é aquele que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores” (Salmo 1:1). Jesus falou do perigo de falsas doutrinas se espalharem (Mateus 16:6-12), e Paulo reforçou esta mensagem quando avisou do mesmo perigo: “Não se enganem: ‘As más companhias corrompem os bons costumes’” (1 Coríntios 15:33). Usou linguagem semelhante para alertar sobre a influência da imoralidade (1 Coríntios 5:6-8).

Diante da ameaça real do pecado, precisamos de uma postura radical de prevenção.

-por Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2017 Karl Hennecke, USA